User Settings

Oração com o Papa

Novembro 2014
Oferecimento Diário: 

Meu Deus, adoro-Vos e amo-Vos com todo o meu coração. Agradeço-Vos porque me criastes, fizestes de mim um Cristão e me guardastes nesta noite. Ofereço-Vos as acções deste dia. Concedei que todas possam estar de acordo com a Vossa Santa Vontade e para a Vossa maior Glória. Protegei-me do pecado e de todo o mal. Que a Vossa Graça esteja sempre comigo e com os que me são queridos.

Ámen.

 

Intenções para este mês:
Universal: 

Para que todos os que sofrem solidão possam experimentar a proximidade de Deus e o apoio dos irmãos.

Pela Evangelização: 

Para que os jovens seminaristas e religiosos possam ser mentores sensatos e de boa formação.

 

Tudo passa; o Amor, Deus, permanece.

O sentimento de isolamento interior e separação dos outros, sem ninguém a quem recorrer ou que nos possa compreender, pode ser doloroso. Esta desolação, chamada solidão, é diferente do estar sozinho. Quando escolhemos estar sós, oferecemos a nós mesmos uma ocasião de discernimento, exame de consciência e reorientação de vida. Vaguear, voluntária e temporariamente, contribui para nos tornarmos melhores, como quando passeamos numa praia deserta. A solidão, por outro lado, pode surgir de forma inesperada, por exemplo através do luto, ou gradualmente, em consequência da nossa progressiva separação dos outros. Em qualquer caso, a nossa base de apoio espiritual reside na Eucaristia. Nas palavras de São Paulo, somos membros do corpo de Cristo: se um membro sofre, todos sofremos com ele. Quando conhecemos a solidão de alguém e nada fazemos para a aliviar, podemos chamar-nos Cristãos? Se as nossas palavras para com alguém que esteja só não têm espírito ou são superficiais, não passamos de assistentes profissionais. Deus dá-nos uns aos outros para ajudarmos a dissipar a solidão. Somos criados para ser sociáveis e tratar, com delicadeza e carinho, a alma daqueles que conhecemos. Nas palavras de um escritor, Deus sussurra-nos nos nossos prazeres, fala-nos na nossa consciência mas grita-nos nas nossas dores. O Senhor quer a nossa atenção, particularmente em tempos de crise, de solidão aguda. O nosso Deus não é um amigo só para quando as coisas correm bem. No nosso grito do coração dirigido ao Céu, o nosso Deus de amor e compaixão está sempre próximo. Ele ouve e presta-nos atenção. Na oração, silenciosa ou vocal, não há solidão. "Senhor, Tu sabes o que desejo; nenhum dos meus anseios Te é desconhecido." (Slm 38, 9).

Mais Lugar Sagrado

o site de oração criado pelos jesuítas irlandeses